terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Empresa desenvolve a primeira garrafa de vinho feita de bioplastico

A empresa espanhola Matarromera concluiu com êxito o desenvolvimento de uma nova garrafa sustentável para os seus vinhos. É uma embalagem feita a partir de bioplástico, particularmente o PLA, e é a primeira garrafa feita deste material que reproduz o desenho das garrafas de vidro tradicionais para o vinho com a vantagem de ser muito mais leve (apenas 50 gramas) totalmente reciclável e com um menor impacto ambiental no seu processo de fabricação.
AIMPLAS, o Instituto Tecnológico de Plásticos da Espanha, foi contratada pela Bodega Matarromera para a concepção de uma nova embalagem sustentável, bem como o molde da pré-forma e o molde de sopro de garrafas sustentáveis. Subsequentemente, também foi realizada a caracterização do novo recipiente que, graças a um revestimento interno com óxido de silício, mostrou uma melhoria considerável na permeabilidade para diferentes gases. Este projeto foi financiado pelo programa EEA Grants, dos governos da Noruega, Islândia e Lietchtenstein, bem como pelo Ministério da Ciência e Inovação da Espanha, através do CDTI.
A pesquisa faz parte do compromisso da empresa com a sustentabilidade ambiental, também permitirá diferenciação e maior competitividade em novos mercados com elevada consciência ambiental, como os países nórdicos, e mais especificamente em companhias aéreas norueguesas e escandinavas.


segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Empresa belga lança o primeiro sistema de tubulação do mundo de bioplástico

Com sede na Bélgica a Dyka, empresa européia líder na produção de sistemas de tubagens de plástico e membro do Grupo Tessenderlo (Bruxelas), lançou o primeiro sistema de tubulação do mundo feito de material plástico de fontes renováveis ​​à base de plantas, sob o nome Dyka Bioplastic. A nova linha de bioplástico lançado no início desta semana na feira internacional VSK para o setor da instalação realizada uma vez a cada dois anos em Utrecht (Holanda) consiste em um sistema de tubos para águas pluviais para edifícios residenciais, recém-construídos e casas. Segundo Barry Kooistra, gerente de produto da Dyka na Holanda, os novos tubos e acessórios são feitos de PLA, um material durável ​​ biodegradável, derivado da beterraba e desenvolvido em colaboração com a produtora de acido láctico e polilático com sede na Holanda a Corbion Purac. Como o PLA é derivado de fontes renováveis, tem uma pegada de carbono menor do que os materiais à base de petróleo convencionais. "Além disso, a tubagem feita deste bioplástico é comparável a uma tubagem de PVC: o material é muito forte, e tem uma longa vida útil", disse Kooistra. "É um material completamente novo na indústria da construção." Ele também não descarta a possibilidade de que Dyka também esteja estudando outras opções de bioplásticos no futuro. 
A Dyka tem a ambição, disse Kooistra, para ampliar ainda mais as opções de aplicações disponíveis para materiais bioplástico dentro da indústria de construção, a fim de contribuir para a transição para uma cadeia da construção e da indústria de construção de suprimentos mais sustentável. Para Dyka,o PLA estende-se ainda mais a uma gama de materiais, que inclui PVC, PP e PE, já utilizado pela empresa. No entanto, o custo ainda é um problema: o novo sistema de tubulação bioplástico é mais caro do que uma feita a partir de plásticos convencionais. A matéria-prima é mais cara, e, como Kooistra salientou, o custo do material é que determina em grande medida o preço de qualquer produto. "No entanto, descobrimos que a indústria da construção está começando a olhar de forma diferente para os materiais e os seus custos”, e acrescentou. "Já não é apenas o preço que importa; o mercado e os consumidores estão começando a exigir produtos que não prejudiquem o meio ambiente e os desenvolvedores de projetos, especialmente os que operam nos segmentos superiores do mercado, agora estão dispostos a investir no fornecimento de casas construídas de forma mais sustentável.” Em sua opinião, o bioplástico é o material do futuro. "Este material vai permitir-nos aumentar ainda mais a sustentabilidade da cadeia de materiais de construção e indústria da construção. A escolha do material pode ter um impacto real sobre os fluxos de resíduos”, disse ele. 
"Além disso, ele permite-nos responder às novas exigências dos consumidores e do setor da construção como um todo, bem como reduzir a nossa dependência dos combustíveis fósseis. É um grande exemplo de como Dyka pode usar o seu know-how e experiência para contribuir para um setor mais sustentável.” Antes de lançar o novo sistema de água da chuva, a Dyka passou vários anos pesquisando e desenvolvendo um produto final de bioplástico de alta qualidade. O novo sistema de tubo tem sido extensivamente testado em conformidade com as exigências e diretrizes mais rigorosas e agora está pronto para o lançamento oficial do mercado. As possibilidades de aplicação, disse Kooistra, são 'grandes'.


Fonte: http://www.plasticstoday.com/

domingo, 7 de fevereiro de 2016

A Conferência Europeia de Bioplástico acontecerá de 29 e 30 de novembro de 2016 na Alemanha

Na seqüência do sucesso acontecido nos últimos anos, que reflete a crescente confiança nos plástico de base biológica, biodegradável, ou como uma alternativa viável para o plástico convencional, a 11ª Conferência Europeia de Bioplásticos foi confirmada para ter lugar dias 29 e 30 de novembro de 2016 no Hotel Steigenberger em Berlim, na Alemanha. Atualmente a Conferência Europeia de Bioplásticos evoluiu para o principal fórum de discussão e de negócios para o setor de bioplásticos na Europa e no mundo. Como a principal associação industrial neste campo, os anfitriões do European Bioplastics estão empenhados em representar os interesses de todas as partes envolvidas na longa cadeia produtiva dos bioplasticos. 
A diversidade na delegação – com 350 empresas em 2015 deverá crescer, e o reflexo disso, é a tendência para um encontro pan-indústrial que será definido para continuar como o evento que abraçará  a inclusão de agentes do setor de políticas não-privadas e outros. Com mais e mais marcas e fabricantes acordando para o potencial dos bioplásticos, e com os responsáveis ​​políticos promovendo cada vez mais os seus esforços para instalar estruturas que beneficiam o crescimento de bioindústrias sustentáveis, esta é a hora de colocar os bioplásticos no alto da agenda de uma economia circular de base biológica na Europa e em outros países. A 11ª Conferência Europeia bioplásticos vai cumprir a sua missão de fornecer o mais recente insights e atualizações da indústria, conectando as principais partes interessadas, com as unidades de negócios e inovação, e posicionar a indústria de bioplásticos como um pilar fundamental da futura economia circular.


Fonte: http://en.european-bioplastics.org/

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Bioplásticos feitos com nanocelulose extraída do abacaxi se equiparam à fibra de carbono

De resíduos agroindustriais saem fibras que poderão dar origem a uma nova geração de superplásticos. Mais leves resistentes e ecologicamente corretos do que os polímeros convencionais utilizados industrialmente, as alternativas vêm sendo pesquisadas pelo grupo coordenado pelo professor Alcides Lopes Leão na Faculdade de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), em Botucatu. Recentemente, o grupo brasileiro apresentou o trabalho durante a reunião anual da Sociedade Norte-Americana de Química, mostrando que os superplásticos podem ser fabricados de vários tipos de frutas e plantas.

Bioplásticos

Obtidas de resíduos de cultivares como o curauá (Ananas erectifolius) - planta amazônica da mesma família do abacaxi -, além da banana, casca de coco, sisal, o próprio abacaxi, madeira e resíduos da fabricação de celulose, as fibras naturais começaram a ser estudadas em escalas de centímetros e milímetros pelo professor Lopes Leão e colegas no início da década de 1990.Ao testá-las nos últimos dois anos em escala nanométrica (da bilionésima parte do metro), os pesquisadores descobriram que as fibras apresentam resistência similar às fibras de carbono e de vidro. E, por isso, podem substituí-las como matérias-primas para a fabricação de plásticos. “O resultado são materiais mais fortes e duráveis e com a vantagem de, diferentemente dos plásticos convencionais originados do petróleo e de gás natural, serem totalmente renováveis.” As propriedades mecânicas dessas fibras em escala nanométrica aumentam enormemente. “A peça feita com esse tipo de material se torna 30 vezes mais leve e entre três e quatro vezes mais resistente”, disse Lopes Leão. Em testes realizados pelo grupo por meio de um acordo de pesquisa com a Braskem, em que foi adicionado 0,2% de nanofibra ao polipropileno fabricado pela empresa, o material apresentou aumento de resistência de mais de 50%.

Carros verdes

Já em ensaios realizados com plástico injetável utilizado na fabricação de pára-choques, painéis internos e laterais e protetor de cárter de automóveis, em que foi adicionado entre 0,2% e 1,2% de nanofibras, as peças apresentaram maior resistência e leveza do que as encontradas no mercado atualmente, segundo o cientista. "Em todas as peças utilizadas pela indústria automobilística à base de polipropileno injetado nós substituímos a fibra de vidro pela nanocelulose e obtivemos melhora das propriedades", afirmou. Além do aumento na segurança, os plásticos feitos de nanofibras possibilitam reduzir o peso do veículo e aumentar a economia de combustível. Também apresentam maior resistência a danos causados pelo calor e por derramamento de líquidos, como a gasolina.
"Por enquanto, estamos focando a aplicação das nanofibras na substituição dos plásticos automotivos. Mas, no futuro, poderemos substituir peças que hoje são feitas de aço ou alumínio por esses materiais", disse Lopes Leão. Por meio de um projeto apoiado por meio do Programa de Apoio à Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (PITE) da FAPESP, a fibra de curauá passou a ser utilizada no teto, na parte interna das portas e na tampa de compartimento da bagagem dos automóveis Fox e Polo, fabricados pela Volkswagen. Outras indústrias automobilísticas já manifestaram interesse pela tecnologia, segundo Lopes Leão. Entre elas está uma empresa indiana, cujo nome não foi revelado, que tomou conhecimento da pesquisa após ela ser apresentada na reunião da Sociedade Norte-Americana de Química, no final do mês passado.

Nanofibra substitui titânio

Segundo o coordenador da pesquisa, além da indústria automobilística as nanofibras podem ser aplicadas em outros setores, como o de materiais médicos e odontológicos. Em um projeto realizado em parceria com a Faculdade de Odontologia da Unesp de Araraquara, os pesquisadores pretendem substituir o titânio utilizado na fabricação de pinos metálicos para implantes dentários pelas nanofibras. Em outro projeto desenvolvido com a Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Unesp de Botucatu, o grupo utiliza as nanofibras para desenvolver membranas de celulose bacteriana vegetal. Em testes de biocompatibilidade in vivo, realizados com ratos, os animais sobreviveram por seis meses com o material. "Nenhuma pesquisa do tipo tinha conseguido atingir, até então, esse resultado", afirmou Lopes Leão. O grupo da Unesp também está estudando a utilização de fibras naturais para o desenvolvimento de compósitos reforçados e para o tratamento de águas poluídas por óleo.

Fibras de plantas

De acordo com o coordenador, entre as fibras de plantas, as do abacaxi são as que apresentam maior resistência e vocação para serem utilizadas na fabricação de bioplásticos. Dos materiais, o mais promissor é o lodo da celulose de papel, um resíduo do processo de fabricação que as indústrias costumam descartar em enormes quantidades e com grandes custos financeiros e ambientais em aterros sanitários. Para utilizar esse resíduo como fonte de nanofibras, Lopes Leão pretende iniciar um projeto de pesquisa com a fabricante de papel Fibria em que o lodo da celulose produzido pela empresa seria transformado em um produto comercial. "É muito mais simples extrair as nanofibras desse material do que da madeira, porque ele já está limpo e tratado pelas fábricas de papel", disse. Para preparar as nanofibras, os cientistas desenvolveram um método em que colocam as folhas e caules de abacaxi ou das demais plantas em um equipamento parecido com uma panela de pressão.O "molho" resultado dessa mistura é formado por um conjunto de compostos químicos e o cozimento é feito em vários ciclos, até produzir um material fino, parecido com o talco. Um quilograma do material pode produzir 100 quilogramas de plásticos leves e super-reforçados.


Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

A produção global de bioplástico continua a crescer, apesar do baixo preço do petróleo

Os dados recolhidos da cooperação da IFBB (Instituto de bioplásticos e Biocompósitos) com a Nova-Institute mostram que a capacidade de produção global para os bioplásticos vai aumentar das cerca de 1,7 milhões de toneladas em 2014 para cerca de 7,8 milhões de toneladas em 2019. Os plásticos biológicos e biodegradáveis, tais como bio-PE e bio-PET, são os principais motores desse crescimento. A capacidade de produção de plásticos biodegradáveis, tais como PLA, PHA e misturas de amido também estão crescendo de forma constante, e projetasse que quase dobre em 2019. A embalagem longa vida continua a ser o maior escopo dos bioplásticos, com quase 70 por cento do total do mercado de bioplástico. "Os dados mostram uma tendência significativa para tornar mais eficiente em termos de recursos para embalagem, que é promovido por uma crescente procura dos consumidores por produtos com reduzido impacto ambientais”, disse François de Bie, presidente da bioplásticos europeus..
Um exemplo é a Ásia que vai ampliar ainda mais a produção dos bioplásticos com aumento de mais de 80 por cento em 2019. Com relação à Europa ela terá um aumento de menos de 5 por cento das capacidades de produção. "Neste contexto, a implementação de políticas que assegure a igualdade de acesso aos recursos biológicos, para facilitar a entrada no mercado de produtos orgânicos que sejam responsáveis pela produção de plásticos compostáveis com uma gestão eficiente do fluxo de resíduos, é de vital importância para os países europeus. “Apelaremos aos legisladores da EU para considerarem o enorme potencial ambiental, o crescimento econômico e a criação de emprego na nossa indústria no próximo pacote de economia circular”, finalizou Bie.


Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More