sábado, 21 de janeiro de 2017

México: bioplástico obtido a partir de sementes de abacate

Em novembro de 2012, o jovem empreendedor Scott Munguía criou a empresa Biofase após a concepção bem-sucedida de um biopolímero para diferentes usos obtidos a partir de sementes de abacate. Em 2016, a produção média mensal do produto era de 500 toneladas, com algumas destinadas ao mercado centro-americano.
A planta de produção está localizada em Morelia, Michoacan, e tem uma área de 3.000 metros quadrados. É a maior da América Latina e a única do mundo a usar sementes de abacate para produzir resinas biodegradáveis. Sua construção envolveu um investimento de 16,5 milhões de pesos tanto do governo federal quanto de investidores privados. O desenvolvimento do engenheiro químico Scott Munguía, graduado pelo Instituto de Tecnologia e Ensino Superior de Monterrey, é um composto que se desintegra em 240 dias, ao contrário daqueles feitos com poliestireno, que levam milhares de anos. O México é o maior produtor de abacate do mundo, com mais de um milhão de toneladas por ano, das quais 30.700 toneladas são descartadas. Ao saber sobre esse número levou à idéia de desenvolver o biopolímero. Scott Munguia explica que "eu achei que por ser uma quantidade impressionante de resíduos, eu teria que fazer algo com essas sementes, então comecei a estudar suas propriedades."
Através de um processo patenteado, a semente de abacate sofre uma modificação química com a ajuda de um agente plastificante; Isto é como se torna um termoplástico, e dependendo do uso que você quer dar, ele pode ser misturado com outros elementos para gerar a resina termoplástica.
O processo de produção do biopolímero, que não gera resíduos perigosos, foi patenteado no México. O desenvolvimento do projeto contou com a participação de especialistas do Instituto de Tecnologia de Monterrey e de outros centros de pesquisa. O produto final é uma resina termoplástica que se degrada em menos de um ano e tem uma vida útil de perto de quatro. Ele pode ser usado para fabricar uma ampla gama de produtos, desde sacolas finas até peças rígidas, como recipientes ou utensílios de cozinha.
Esta descoberta, única no mundo, é protegida por uma patente mexicana e uma patente internacional está a caminho. Já recebeu vários prêmios, entre eles o Prêmio Innovators under 35 do MIT Technology Review, o Prêmio de Inovação Tecnológica do Cleantech Challenge México, o Prêmio Santander para Inovação Empresarial e o Prêmio Banamex de Empresas Sustentáveis ​​pelo seu impacto social, econômico e ambiental.
A empresa Biofase tem três linhas de negócio: uma delas é a produção de resina termoplástica na forma de pelotas para a fabricação de produtos bioplásticos; a  segunda gera produtos finais deste material, tais como talheres, sacolas, embalagens e outros; A terceira se concentra em projetos específicos baseados na própria tecnologia da empresa visando atender às necessidades dos clientes.
Embora o preço do bioplástico seja quase o dobro em relação aos plásticos convencionais derivados do petróleo, a tecnologia da Biofase pode reduzir o custo final em até um quarto, de acordo com Scott Munguía, que acrescenta que para isso estão trabalhando na melhoria dos processos.
"Estamos conseguindo tudo o que sempre quisemos em termos de tecnologia, que era ter uma resina com a qualidade que esperávamos e capaz de substituir completamente polipropileno, poliestireno e polietileno, com o objetivo também de ter um preço acessível, porque na indústria, A questão dos preços nos bioplásticos é uma barreira muito grande”, explica o jovem empresário. O próximo passo é exportar para os Estados Unidos, o maior mercado de bioplásticos do mundo, e onde nove por cento de todo o plástico usado é deste tipo. "Queremos posicionar-nos no México como o maior fabricante de bioplásticos e deixar claro no mercado internacional que o México tem a mais recente tecnologia e está totalmente pronto para entrar nesse mercado".


Fonte: Agencia ID

0 comentários:

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More